quarta-feira

Exercício pra reconstrução da imagem - edição 1

Quis queimar as íris pra rever. O fogo alto me talhou a cara, e a pálpebra negou a cena. No escuro claro da luz de mim à dentro, a penumbra ficou vermelha rosa amarela em círculo. Fechados, sendo dois, cada olho reclamou pra si a figura.
Luta por luta o foco ficou no meio da testa. Coalizão calor. O Sol pousou na ponta do meu nariz e o contorno de montanha, o osso saltado em cima da minha bochecha. Só é preciso meia lua pra sustentar o sol no vento.

Meus cachos de mata persianam as cores. As montanhas dançam sob a batuta da angulação do meu sorriso e têm veios de piche formando uma cerca grafite no seu cume – meus cílios derreteram. Joguei a tocha no chão e arcos de cinza areia de canto de guia de dia chuva me visitam. É um nevoeiro.Se não quero ou se não desgruda a pele, sou vitela à grude. Com medo de molhar os dedos não encosto em nada meu.

Primeiro em triângulos curtos, depois em um paralelogramo dolorido, os olhos estalam num beijo pra noite dando a volta. Vejo. O azul bebeu todas as cores do meu olho. E a poeira conta sobre a minha estadia enquanto o tempo cheira doce e cru.

4 comentários:

CèS disse...

Ó eu aqui marcando presença! :D

CèS disse...

(Comentário inútil - se é que algum o é de fato, ou é útil de fato)

Minina disse...

ñ sei pq, mas lembrei

"E se, de repente
A gente não sentisse
A dor que a gente finge
E sente
Se, de repente
A gente distraísse
O ferro do suplício
Ao som de uma canção
Então, eu te convidaria
Pra uma fantasia
Do meu violão"

trecho d fantasia, d chico

"Quis queimar as íris pra -re-ver"... por isso e por mais, vc gosta retornos...
o círculo.
agora vou andar d bicicleta.. depois digo mais do q vi, okeisis?

té!

raphael disse...

gostei muito da primeira frase. neste texto e no poema vejo um estilo pessoal, algo proprio do heyk, que é o de construir tudo previamente. interpreto que voce construiu este texto como o poema anterior. acho algo valido. nao sei se voce quer que eu seja critico, mas nao vou cair no que todo mundo cai. ja reparou que em comentario de blog so tem elogio? eu acho interessante a proposta, mas talvez falte sentimento, raiva, realidade mesmo. ta muito construidamente lirico.

crédito do desenho no cabeçalho: dos meses duro, nanquim sobre papel, 2010 Philippe Bacana