sexta-feira

Na hora

Na hora do pau mesmo sumiu até vaso de planta. Rolou boato pelos padre e feirante e costureiro. Entrou tudo na fila da perdição. Perdão roupa engruvunho danado. Clã pra masturbação.
Chá de sete queda e ratoeira. Teve um teleférico que começou a dar bom dia e não tem meteorólogo que resolva a situação ministerial. A gente junta sonho pra vender que nem latinha. E reunião e reunião E cafetismo institucional. Manual de perder prega e praga no jornal.
Dois sapo levantaram a cabeça e cuspiram vaga-lume explosivo e a areia movediça sumiu com todo mundo que tinha dinheiro no banco. 3x3 e mandarim cantor na chuva enquanto o troço todo se engolia. Revolução da madre gaia.

21 comentários:

compulsão diária disse...

Ousado na maneira de escrever sem concordância. Sem plurais. Eu gosto: às vezes sim, às vezes não. Gosto aqui, por exemplo, que dá esse tom de calçada e cais de porto na tal hora.
Madre Gaia zangada, enfim! Chá, teleférico diz bom dia, meteorólogo em ministério, talvez seja uma saída rsrs. Só pq a gente junta sonho pra vender que nem latinha?(bom, isto aqui).
Confio mais nos sapos cuspindo vaga-lumes explosivos. (Utopia, esta é a marca da minha geração! rsrs)

isaac disse...

o estilo lançando singulares, plurais e concordâncias à mercê do que de melhor, nos versos, irá lhe atender - isso é fodalhão, meu velho.
tá aí o "no canal" pra não me deixar mentir.
se procurar afagos não leia heyk - ou então entenda que afago e porrada são 2 lados da mesma moeda.

Heyk Pimenta disse...

A utopia é a marca de todas as gerações, que tiverem de olhos abertos.

Utopemo, topemos!

Heyk Pimenta disse...

Aí, a coisa do verbo é essa: falo conforme o falo , o empurrão da coisa do poema permite. Esse precisava da porrada, do rasgado da mentira escrita errado.

E é isso, a porrada e o afago são dois lados da mesma mão, depende pra que lado a palma tá virada.

Legal gente.

compulsão diária disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
compulsão diária disse...

corrigindo p/ facilitar entendimento da bobagem que acabei de escrever qdo li sua resposta !"falo conforme o falo"
assim:

Fala, falo!
Fá-lo onde falho letra.
Sua fala faz faillir,
Falo Falloir



faillir=falha
falloir=ser preciso, necessário, indispensável.

Heyk Pimenta disse...

Escuta isso é um poema bom!

trocadilho bilíngue!

FlaM disse...

desconforto.
li várias vezes. Quanto mais lia, mais gostando e menos desconforto.
Gosto de conforto prá viagem. Em literatura e em muito da vida, gosto de desconforto. Uma viagem...
Gostei!
bji, lfavia

tatiana reis disse...

revolução da madre gaia
tudo isso me fez lembrar de uma tela...preciso achar aqui....uma ilustradora gringa, acho.

sobre meu texto,deu vontade de conversar
e sobre os teus tb
to te add no msn..caso.
bj

Heyk Pimenta disse...

GOstei do papo, Tatiane, será que é insight coletivo?
Acho que rola. Não conheço a tela não, mas se achar, mostra que aí a gente coloca ela aqui. ou não. nunca pus imagem no beijo, se´ra que ponho agora?

isaac disse...

"nunca pus imagem no beijo", um comentário poético por si só hehehe
abraços meu querido

Heyk Pimenta disse...

me peguei na própria bobagem, tem razão isaac, se não tem imagem o que tem? hahaha

abração, mano!

FlaM disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
FlaM disse...

e beijo de sal o que é senão imagem?
bobo
beijos de mel,
flam

Victor Meira disse...

Disseram por aí que "Na Hora" tem a ver com "No Casulo". Besteira.

Gosto dos versos engraçados. A coisa começa ótima: "Na hora do pau mesmo sumiu até vaso de planta". Outra: " Manual de perder prega e praga no jornal".

Mas "Na Hora" não feriu, não fez carinho, não fez chorar e não deu tapa na cara.

Há poesias - nesse estilo que você vem apostando desde quando comecei a te ler, acho - em que o não-pluralismo, a desvirgulagem e a bagunça figurativa funcionam. Pétalasa, De Dentro e Maçã do Amor (ou De Fora, que tem construção diferente das outras duas), são lindos, ótimos exemplos de onde a estética foi feliz.

Li muitas vezes o "Na Hora" logo depois de ter saído do forno, e desde que você postou venho lendo eventualmente, querendo ser seduzido.

Não rolou. Não comoveu nem incomodou.

Comento um pouco mais por email. O recado público termina com o

Beijo quadrado.

Heyk Pimenta disse...

fechado.
minha piada não comeve mais. hehehe. bjocas.

mas que tem a ver com casulo tem, foi escrito junto, só que um é mais espetacular e o outro é sério. Mas gosto sinceramente de poemas assim, que chamam pra surpresa engraçada.

e ufa, acho que já é hora de outro poema. tô aqui mechendo num. mas me cansa quanto tem uma rima e meu cérebro só quer aquela rima, aí faço um poema inteiro com um "ado" ou coisa assim em todos os versos, um cu.

bjocas

Heyk Pimenta disse...

mechendo com ch foi foda. mexendo. bjoquinhas.

FlaM disse...

não sabia que era um poema...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Guto Leite disse...

Opa! Este sim me deu aquele sorriso das prosas poéticas de Baudelaire! Gostei bastante! Grande abraço

FlaM disse...

Ai guto! enfim alguém com senso de humor prá me dar uma ajuda! meu sorriso aqui já tinha amarelado...
Bobo esse heyk...

Heyk Pimenta disse...

pô, baudelaire já é duro, hein?!

Hehe, valeu gente. Vamo nessa. Haja besteira pra falar nessa vida. Até mais breve tÕ colocando coisa nova aí.

crédito do desenho no cabeçalho: dos meses duro, nanquim sobre papel, 2010 Philippe Bacana