terça-feira

Poemas de maugosto

para victor meira, em homenagem ao primoroso beba, são pregos

tavares,
pensa aqui, cara,
fazemos é encher nariz, homem
acha que a sua mulher vai te querer assim?
(Atafaldo Zambraia)

1

pilhas de frios
tristesse
destristesse

nas luas e nulos brancos
bolotas e barquinhos
sob canetas de sabre
e copos de leite com raiva

destrona o papel
e bufa a flor murcha

cavalheiro tavares foge pra montanha
pra morder dente e comer poeira branca


[é isso aí gente. Nessa série serão desenterrados e elaborados poemas de péssima qualidade para alegria de todo o reino]

6 comentários:

Miguel Barroso disse...

muita qualidade por aqui.



Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

Miguel Barroso disse...

Venho retribuir a visita e deixar o meu email:
sr.miguelbarroso@gmail.com


Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

Victor Meira disse...

Não sei.

fernando disse...

tem ostra
que cisma
em fazer tudo virar maná.

a pérola sai de fininho...

cara, esse poema não afina
não afina!

evoé!

Gleydson disse...

Bahhh... O.ô

Elisa Caetano disse...

Se é poema de maugosto aí vai:

Paixão é igual onda de cocaína: primeiro a grande euforia, depois um grande vazio
A paixão é uma droga... Eu preciso e devo viver em abstinência

Pausa

De tanto amar
Resolvi amar mais
De tanto acreditar
Resolvi acreditar mais
De tanto me apaixonar
Resolvi cuidar da minha filha, do meu casamento, da minha casa, do meu Galileu, do meu trabalho, e principalmente, cuidar de mim.

crédito do desenho no cabeçalho: dos meses duro, nanquim sobre papel, 2010 Philippe Bacana