terça-feira

Buenos dias, Passarão | 13/11 em Sorocaba-SP


Óleo, acrílico, nanquim, café, urucum, jornal, giz. A obra do Philippe Bacana, 22, é uma reorganização ousada das categorias do imaginário. Como Miró e Pollock, põe o quadro no chão, e com música e café adentra noites sem esquecer que tem que acordar cedo, o trabalho convencional ainda o chama todas as manhãs.
Essa é a sua primeira exposição individual em circuito comercial, onde trabalhos de 2007, acrílico e óleo, figuraram ao lado de quadros à pastel e selante, e café e urucum. Em meados de 2008, o artista, ex-estudante de ciências sociais, criado na pequena cidade do interior de São Paulo - Artur Nogueira - começa a trabalhar o nanquim, após um rápido curso de gravura no Instituto Tomie Otake.
Noções de quebra de plano, e de invenção de formas para uma nova figuração e narrativa já apareciam em sua obra, o contato com o nanquim dá força à essa vertente. Bacana traz à tona todo um mundo de personagens fantásticos, meticulasamente sérios e compenetrados nas suas funções - seringueiros, juízes, rueiros e animais. As linhas finas quase inimagináveis ao traço da mão, encadeiam complexas tramas onde uma natureza viva feita de objetos outros encena com esses personagens e enriquece as obras, onde a linha entre figura e fundo desaparece.

Influenciado e influenciador de alguma literatura contemporânea, Bacana foi motivo de poemas ainda na sua fase com o giz pastel - que inauguraram a revista de artes Maná Zinabre. Executou murais onde a poesia e objetos cotidianos abriram a possibilidade de interferência no mundo puro da pintura.
Ainda em 2007, o quadro O parlamento, reação à série de poemas O parlamento, inaugurava uma outra ilustração para a literatura: não são objetos ou cenas descritas nos poemas que vem à luz da obra, mas construções fruto das reações do artista, assim literatura e pintura atuam em relação de complementaridade e ao mesmo tempo autonomia.
O livro Lagarta o faz pensar em casulos, esses viram carretéis, e dos carretéis sai sua primeira série concisa em nanguim, onde seres, plantas e objetos do mundo tangível e da imaginação aparecem enrolados nas suas linhas finas.
Em 2008 e 2009 essa relação se intensifica e o artista faz várias capas de livretos, se inserindo no contexto da literatura contemporânea descartável e ao movimento de poesia de rua, principalente do Rio de Janeiro, e se torna principal ilustrador do selo Peri Go.

A relação de Philippe Bacana com as artes plásticas é uma relação de contaminação, onde em momento algum há a preocupação de estabelecer divisões entre a figuração e o abstrato, entre o hermético e a narrativa, entre o não-obejto e as categorias conhecidas. Bacana é um artista do limiar, um fronteiriço, suspende e torna concreto o chão onde pisa quando quer.

4 comentários:

Victor Meira disse...

Viva o Bacana!

Rachel Souza disse...

Bacana falou. ;)

Fabi disse...

saudade!!!

Bruna disse...

Adorei!! As portas da Vila estarão sempre abertas pra vcs...
até mais, bjs

crédito do desenho no cabeçalho: dos meses duro, nanquim sobre papel, 2010 Philippe Bacana