quarta-feira

I - Das cavalgadas temporonas

Primeiro que: minha poesia é pra quem quiser. Minha política, não. Ela é popular. Ela segrega. Joio do joio e trigo do trago e tal. Não tô pra nove horas. Até enquanto for, o papo é reto e o sol, trancado no apartamento. Vida morcegótica sem paciência de lá pra cá nesse mundão fedorento e sem paciência com a morcegagem, com a poesia, com a política.
Escolhido e lavrado então ser out-sider, que seja o out-sider opcional. O out-sider com vontade e clareza do quão do lado de fora pode tá um out-sider: meu caro, não tem lado de fora. Tem que ter muita grana pra ficar rodando na órbita da Terra do lado de fora, e fora então mesmo, aí é só sendo primeiro aluno até em crochê de cabeça pra baixo - astronauta, coisa nenhuma.
Por isso, ser out-sider onde não tem lado de fora é trabalho de maluco. De empesteado, jagunço atrás de cangaceiro morto, que mais foge que procura e mais dá pista do que cabeça. Daqui e aqui o custo do opcional é caro. E é bem difícil pensar quem é quem nessa briga de cego de faca sem corte. O máximo que rola é uma coceira desse jeito. Tarefa sem cabimento.
Aí: é carta dada e olho na manga do ladrão. Sem conversinha, sem politiquinha, sem discursinho. A coisa, amigo, é viva. É viva até que de fome, te engole. Engoliu a maioria. A gente vai ter que aprender a comer, como se fosse vivo mesmo. Senão vai dar trabalho ficar inteiro com tanta fome de vida que rebola nesse sol de sino trincado.
Pra quantos a arte morre com a maioridade? Pra quantos nada começou ainda? A pergunta traz consigo um terço e meio da resposta. Então respondo com ponto trocado. Qual é a pergunta, maria? Sai de cima. E é tabuleiro partido: tem bala, plástico e som. Que se dane a faísca que o martelo solta. Quero ver é ser martelo nessa hora em que a bigorna tá pedindo demissão. Sai de cima e repito: A conversa extrapolou pro ato e o ato, meu caro, é só pros vivos. Que venham os leões.

11 comentários:

Guto Leite disse...

Onde assino o manifesto, parceiro? É isso aí! Acordo com dor de cabeça e sigo acordado na náusea. Vontade pra mim é um bibelô de feirante! Abraço, meu caro

Guila Sarmento disse...

bom, cara, claro como se propõe. Em prosa gosto mais quando você atinge esta clareza. Quando você mistura versos absurdos em prosa gosto menos, não por ser ruim, mas por ser para pouca gente.

beijo

Rachel Souza disse...

Isso, caboclo! (No more "curió".rsrs)
Um viva aos vivos e aos atos!
Beijo!!

Anônimo disse...

Uma ode raivosa. Um outsider por opção e não por coação. Ou melhor sem out ou in, inclassificável, mais dificil de rotular.

"Quero ver é ser martelo nessa hora em que a bigorna tá pedindo demissão."
Um passo a frente já vale muito mais que o choro estagnado.
Voltou bem rapaz, afiado.
A jaula tá aberta e que venham os leões.
Abração e até.
william

Heyk Pimenta disse...

valeu, gente.

E é isso aí, enverguem sim a funcionalidade desse texto, ele não se propõe só a ser um textinho da nova série do heyk: tõ é abrindo um debate.

abração.

compulsão diária disse...

Os piores ladrões têm discurso comprado pra mais explorar. Guerrilha, guerrilha. Vai martelar o próprio ego inflado. vai vendo.
Beijos meus

compulsão diária disse...

depois foi que vi seu comentário . Abertura de debate: acho que entendi antes de ler;))
Ou não? Se a resposta for sim, então minha pergunta pra Maria;))
Por que nos deixamos seduzir por propostas, por vezes, tão indecentes?

Será que um morcego habita em nós e amaodeia a arte? E nessa embarcamos em canos furadas, cujos barqueiros são cheios de politiquinha..etcc...essas coisas mesquinhas?

Voltou em grande estilo.

Um brinde!
Adorei

danilo monteiro disse...

Waking life...

Victor Meira disse...

Que seja vontade, e não pura empolgação.

Bom te ver assim.
Fazia algum tempo.

Haja ato, sempre!
Um beijo!

Heyk Pimenta disse...

Gente, não é empolgação: Aliás: é, claro que é! Tem que ser. O que vai ser se não for empolgação?
Imagina que beleza que essa galera toda tivesse empolgada!

Viva a empolgação.
E a vontade. E a raiva em último caso.

Isso é uma conversa sem interlocutor. E com leões.

compulsão diária disse...

Sem empolgação não há criação ;)))
(desculpe o mote prosaico)
adoro vc e seu texto

crédito do desenho no cabeçalho: dos meses duro, nanquim sobre papel, 2010 Philippe Bacana